For better experience, JavaScript is recommended for this website. Enable JavaScript in your browser
Menu

In The News

Newsroom

Entre o 2 e o 3, existe o 2,5

Não é preciso ser o melhor para realizar coisas incríveis. O que se deve fazer é pensar diferente. Sobretudo ao trabalhar com sustentabilidade.

Courtesy of Andre Baertschi | wildtropix.com
By Rafael Morais Chiaravalloti* Instituto Ethos February 24, 2014
Share

Eu nunca fui o melhor em nada. Desde muito pequeno faço esporte, mas jamais ganhei o primeiro lugar. Embora tenha estudado em mais de sete escolas durante minha adolescência, jamais tive as melhores notas. Após o colégio, mesmo com um ano de cursinho, não passei nos melhores vestibulares. Na faculdade, sempre fui mediano e, durante os meus estágios, nunca fui o mais esperto e perspicaz estudante. Mesmo naquelas coisas que me atraíam muito, nunca consegui estar no topo de nada. No mestrado, passei em último lugar e minha tese estava longe de ser a melhor.

Leia o artigo na íntegra aqui.